<empty>
Um pouco da história da Portugal@Home
Perguntas e Respostas sobre o BOINC
Passeio da Fama
Como nos contactar
Procura por vida extraterrestre inteligente
Previsão climática
Previsão de estrutura de proteínas
Construção do maior acelerador de partículas do mundo
Procura por estrelas de neutrões
Detecção de colisões de asteróides com a Terra

 

 

Estado dos servidores:
Funcionalidade dos servidores dos vários projectos

 

 

 

Powering
Berkeley Open Infrastructure for Network Computing

  .

Orbit@Home
Orbit@Home

URL do Projecto: http://orbit.psi.edu/

=> Aderir à Portugal@Home - Orbit@Home <=

ATENÇÃO: Este projecto ainda se encontra em fase Alpha!

 

 

Objectos Próximos da Terra

Todos os asteróides e cometas que se aproximem a 1,3 unidades astronómicas (uma unidade astronómica é a distância média entre o Sol e a Terra – aproximadamente 150 milhões de quilómetros) do Sol podem ser considerados Near Earth Objects (NEOs – Objectos Próximos da Terra). O tamanho destes objectos varia geralmente entre alguns metros e alguns quilómetros. Compostos maioritariamente por gelo e poeira, os cometas formaram-se no frio sistema solar exterior enquanto que os rochosos asteróides se formaram no interior mais quente do sistema solar entre as órbitas de Marte e Júpiter.
Até 12 de Agosto de 2005 foram descobertos 3499 NEOs e desses, 793 eram asteróides com mais de 1 quilómetro de diâmetro.
Uma vez que existe uma pequena mas não inexistente hipótese de colisão entre alguns NEOs por descobrir e a Terra, a detecção destes objectos representa o objectivo principal de muitos estudos. As órbitas de todos os NEOs conhecidos são monitorizadas por dois sistemas automáticos independentes, o NEODyS em Itália e o JPL da NASA. Ambos os sistemas fornecem probabilidades de impacto, incertezas orbitais e outros dados úteis para cada NEO.

Início Início

 

 

Aproximações recentes à Terra

Não são assim tão raras como se poderia pensar. À data da elaboração desta página (20/08/2005), esta era a lista fornecida pela NASA:

Nome do Objecto
Data da
aproximação
Distância
da Terra
(AU)
Diâmetro
Estimado
Velocidade
Relativa
(km/s)
  04-Agosto-2005
0.1164
210 m - 480 m
9.79
  04-Agosto-2005
0.1030
85 m - 190 m
6.15
  06-Agosto-2005
0.1840
120 m - 260 m
6.80
  07-Agosto-2005
0.1475
n/a
21.25
  08-Agosto-2005
0.0403
770 m - 1.7 km
10.49
  08-Agosto-2005
0.0979
180 m - 390 m
16.11
  08-Agosto-2005
0.0588
130 m - 300 m
7.43
  09-Agosto-2005
0.0806
180 m - 410 m
8.05
  12-Agosto-2005
0.0619
220 m - 500 m
17.87
  16-Agosto-2005
0.0281
230 m - 520 m
16.47
1 AU = 149.597.871 quilómetros

 

Quando a aproximação é suficientemente grande e o impacto acontece, ele pode ser:

Pequeno

Meteorito que atingiu o mundialmente famoso Malibu vermelho na cidade de Peekskill (clique na imagem para ver o video):
Clique para ver o vídeo!

Médio

Cratera de 1,2Km de diâmetro no estado do Arizona causada por um asteróide de aproximadamente 25 metros:

Grande

Concepção artística de Don Davis do impacto catastrófico de um asteróide de 500Km de diâmetro que esterilizaria a Terra:

Início Início

 

 

Orbit@Home

O Orbit@Home é um projecto assente no BOINC e ORSA para monitorizar a órbita de todos os asteróides que passem próximos da Terra. De cada vez que um novo asteróide é descoberto ou re-observado, a sua órbita é actualizada e propagada para o futuro de forma a procurar possíveis impactos com a Terra.

À medida que maiores e melhores telescópios são construídos, o número de órbitas a actualizar todos os dias aumenta o que também aumenta as necessidades computacionais para proceder a essas actualizações. A ideia base é a seguinte: cada cliente pode trabalhar com os dados relativos a um único asteróide por não haver correlação entre asteróides (excepto nos casos extremamente raros de colisões asteróide-asteróide ou perturbação gravitacional; ambos estes casos podem ser tratados por uma versão melhorada do Orbit@Home). Se o número de clientes disponíveis exceder o número de órbitas a actualizar (vezes um factor de redundância), é possível actualizar todas as órbitas no tempo que um único computador precisa para actualizar uma única órbita. É isto que torna o projecto Orbit@Home tão apelativo.

Início Início

 

 

Objectos Próximos da Terra e a Computação Distribuída

O Orbit@Home funciona de forma semelhante aos outros projectos de Computação Distribuída (DC) que usam o BOINC. As três principais secções são a de input, os servidores e os clientes.
O input são todas as observações astronómicas e de radar dos NEOs. Estes dados são fornecidos essencialmente pelo Minor Planet Center (MPC) mas em casos especiais podem ser fornecidos directamente por astrónomos ou outras entidades.
Os servidores representam o núcleo do sistema de computação distribuída recolhendo a informação astro métrica, gerindo a base de dados de asteróides, enviando e recebendo das work units (WUs) para/dos clientes e fornecendo outros serviços centrais necessários.
Os clientes executam todas as computações numéricas. Recebendo uma WU, executam todas as computações necessárias e enviam os resultados quando acabarem. O tamanho das WU é suficientemente pequeno para serem transferidas através de ligações dial-up mas suficientemente grande para manter o cliente ocupado durante algum tempo.

Início Início

 

 

Links Úteis

Início Início

 

 

 

 

Links Úteis:

 

Notícias:

Valid HTML 4.01!Valid CSS!